COMO FOI A MINHA NOITE DE ANO NOVO SOZINHA

By

 

Final do ano passado fui para o interior passar o Natal com a família e a idéia era ficar na cidade até o Ano Novo,  só depois retornar para Belo Horizonte.

Como eu contei nesse post aqui, eu resolvi antecipar a minha volta. Senti vontade de estar na minha casa, senti vontade de estar com as pessoas que tinha aqui e senti vontades que eu nem sabia direito quais eram, sendo assim, dois dias antes da virada do ano, estava eu de volta, com tudo isso que falei, mas também, de certa forma, sozinha.

Eu não tinha nada programado ao certo, havia recebido alguns convites de amigos que passariam a noite de ano novo em casa, poderia ter ido viajar com o meu irmão e poderia ficar na minha casa sozinha, opção essa, devo dizer, era a que mais me apetecia, mas ao mesmo tempo, me amedrontava, afinal, eu nunca havia passado a noite de ano novo sozinha e, também em muitos anos, não passava solteira. Eu tinha quase 100% de certeza que entraria em um looping de ansiedade sem volta, caso ficasse sozinha mesmo, mas era o que mais me parecia provável.

Os dois dias que antecederam a virada do ano eu passei cheia de coisas pra fazer, encontrei amigas, tive almoços deliciosos, saí pra comer pizza com um casal de amigos que eu tenho verdadeira adoração e tudo isso contribuiu para que eu me mantivesse, não só ocupada, como também “em paz”, eu diria.

Dia 31 de dezembro chegou, era sábado, aproveitei pra deixar minha geladeira e meus armários lotados de tudo o que pudesse precisar, e passei o dia fazendo coisas que eu geralmente faço num sábado, sem stress. A tarde foi caindo, acabei enviando mensagens para alguns amigos, desejei votos de boas festas e finalmente recusei os convites que eu havia recebido. Eu ficaria em casa, estava decidida.

queeumeapronte...

Tomei banho, vesti a calcinha branca que eu havia ganhado de presente de aniversário da minha prima – e que eu esperava guardá-la para uma ocasião especial – vesti uma regatinha branca também, me perfumei e passei um blush com cara de saudável. Sentei na frente da televisão, porém logo me dei conta que eu não tenho muita paciência para televisão, e não seria naquele momento “especial” que eu ficaria plantada ali.

Fui até a cozinha, me servi um copo de cerveja, porque eu prefiro cerveja à qualquer outra bebida, e sentei na mesa com o computador na minha frente. Deixei uns petiscos do lado também.

Abre parêntesis

Eu passei Dezembro inteiro com uma dificuldade enorme pra escrever, não estava conseguindo de jeito nenhum. Além de não estar me sentindo inspirada, eu sentia dores nas mãos e no ombro direito, o que dificultava ainda mais. Eu não sei o que era real e o que era psicológico, só sei que não saia nada de dentro de mim.

Fecha parêntesis

Fiquei alguns minutos olhando para a tela em branco e tentando resgatar a minha grande paixão; que é escrever, contar histórias, relatar acontecimentos simples… Um pouco mareada pela cerveja, pelo fato de estar sozinha em casa na noite do ano novo e pelo medo se ser atacada pelo monstro da ansiedade, eu disparei a escrever.

Ouvi alguns fogos de artifício ao fundo, olhei no relógio e já eram 12 horas. Desejei os melhores sentimentos para todos os que amo – em pensamento – e segui escrevendo.

Depois de não mais conseguir digitar nada, fui dormir.

Acordei dia 01 de Janeiro de 2017 me sentindo muito bem, sem ressaca, sem dor de cabeça, sem ansiedade, o que, pra mim, foi o mais importante.

A minha noite de ano novo foi simples, eu não teria uma palavra melhor para descrevê-la, muito simples mesmo. Minha mãe me indagou no dia seguinte sobre o fato de eu ter ficado sozinha em casa, ela deve ter achado que eu estava/estou com depressão…

Sem depressão, sem mimimi, sem dores.

 

 

Talvez possa parecer estranho, mas foi bom, foi uma experiência válida. Alguma de vocês já passaram a noite de ano novo sozinha? Já cogitaram essa possibilidade?

 

 

 

(Ilustração Alessandra Olanow, Caligrafia minha)

Tags:


,
,

janeiro 18, 2017 9:37 am

Comentários

12

Você também pode gostar....

Comentários

12

Posts que você pode gostar